segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Estarei realmente aqui?
Serei aquilo que penso que sou?
Este serei eu, ou apenas o sonho de alguém?



Take this kiss upon the brow!
And, in parting from you now,
Thus much let me avow
You are not wrong, who deem
That my days have been a dream;
Yet if hope has flown away
In a night, or in a day,
In a vision, or in none,
Is it therefore the less gone?
All that we see or seem
Is but a dream within a dream.

I stand amid the roar
Of a surf-tormented shore,
And I hold within my hand
Grains of the golden sand
How few! yet how they creep
Through my fingers to the deep,
While I weep - while I weep!
O God! can I not grasp
Them with a tighter clasp?
O God! can I not save
One from the pitiless wave?
Is all that we see or seem
But a dream within a dream?


Edgar Allan Poe, in "A dream within a dream"

Um dia vou acordar de um longo sono e perceber que a vida não passou de um sonho.

Dedico este post à minha avó e a todos os que amo e tal como grãos de areia dourada, por mais que agarre, escapam-me através dos dedos

6 comentários:

Metade da Laranja disse...

Também já me fiz essas perguntas...
E se sou o sonho de alguém onde está o meu sonho?

helena disse...

Engraçado, não conhecia isto dos Propaganda. Gosto do "Duel", however. Quanto a Edgar Allan Poe, sou mais "Tales of mystery and imagination". De arrepiar... Olha, vem a propósito do Halloween!

Memyselfandi disse...

O comentário anterior era meu...

Paulo disse...

Muito pouca gente conhece. Ainda dormia no velho sotão de madeira, da casa da aldeia em Viseu nos finais dos anos 80. Entrou-me no ouvido e nunca mais saiu, tal como os contos do Edgar. Marcou-me imenso. Sempre fugi dos estereotipos e do banal. Devorava Tolkien e tudo o que fosse fantástico e surreal, tanto na literatura como na música. Gravava cassetes e cassetes com programas de rádio, especialmente o Som da Frente da rádio comercial à noite com o António Sérgio. Foi lá que ouvi pela primeira vez( e única vez numa rádio!) "A dream within a dream" dos propaganda, e o que eu corri à procura do disco que ninguém conhecia!!!
Bons tempos!

M. disse...

acordei com este poema na cabeça ontem.

e de manha escrevi.o no meu caderno. agora vejo.o aqui:)

Paulo disse...

nunca conheci ninguém mais cusco e intriguista que o universo...