terça-feira, 10 de março de 2009

Conversa só para homens (part I)

Esta é uma conversa só para homens.

Minhas senhoras, queiram fazer o favor de mudar de post. Não não! Não vale deixar a janela aberta. Fechar janela. Já está? Sairam todas? É que vou falar de mulheres. Sou um homem que gosta de mulheres, e há quem não ache nisto nada de extraordinário. Enganam-se! São poucos os homens que gostam verdadeiramente das mulheres. Já não falo nos que as mal tratam, mas nos homens que pensam que gostam das mulheres mas nunca entrelaçaram os dedos no cabelo de uma mulher sem medo do seu olhar. O problema é que a mulher é uma serpente. Mesmo a mais doce de todas, trás em si, o mais doce dos venenos. A diferença entre as serpentes e a mulher, é que as serpentes pelo menos parecem-se com serpentes! E as mulheres que se parecem com anjos, são infinitamente mais perigosas! E tal como a dança da serpente, a crueldade feminina encanta os homens. Amar uma mulher sem veneno, é como jogar ruleta russa com polvora seca. É uma seca!

E a maior prova da crueldade da mulher, é a maneira como ela trata a sua semelhante. Nenhuma mulher é capaz de reconhecer a beleza de outra! Basta que eu diga:

- A Penélope Cruz tem um cabelo fantástico!
- Não é dela! são extensões. Não percebes nada, e aquilo é tudo fotoshop.
- Claro que não, coitada, a Penélope nunca teve cabelo. Aquilo compra-se a peso e prende-se depois, fio por fio, é por isso que tem aqueles assistentes todos.(Digo eu, porque é impossivel argumentar com uma mulher, sobre outras mulheres).

Mas voltando ao assunto principal, reparem bem como a crueldade feminina encanta e arrasa um homem:

Ela reparou nele mal entrou no bar. Ele repara nela e retribui o olhar. Ela não desvia os olhos. O jogo prolonga-se por mais algum tempo. Ele finalmente ganha coragem e apresenta-se. Cinco minutos depois (ok, 2!) ela já não estava para ali virada. Pede licença e vai dançar. à saida ele agarra-a pelo braço e murmura:
- temos que falar.
- falar o que?
- não podes sair assim..
- porque não?
- depois de tudo o que se passou entre nós??
- depois de tudo o que se passou entre nós?!!Mas não se passou nada entre nós!
- como podes dizer uma coisa dessas?!E quem é que estava a olhar para mim?Era a minha mãe?Era a minha irmã?Era a madre Teresa?Era??

Ela solta-se e sem olhar para ele entra no taxi que já estava à espera. E se houvesse mulheres a ler este post, já praguejavam a dizer que ele era doido, tarado, psicopáta e tal. E eu pergunto: Mas porque é que uma troca de olhares há-de valer menos que uma jura de amor trocada? Porque é que numa noite de amor explêndida, se há-de passar mais do que no brevíssimo e eterno, clarão de um olhar? Não são os olhos o espelho da alma?

Ele olhou-a, ela olhou-o. seria preciso mais?
As mulheres queixam-se que os homens só pensam em sexo. E o que fazem quando encontram um, para o qual o olhar ainda é tudo? FOGEM!


Eu também fugiria, evidentemente se encontrasse uma mulher assim.

8 comentários:

Ana Omelete disse...

pois, se calhar ela reparou que ele era estrábico e desdentado.

ahahah :o)

Beijinhos e obrigada pela visita.

BB (O.ö) disse...

Ok.... consegui passar por cima de tantas letras e vim logo comentar... :D

@ é no nosso planeta mesmo :P

PKB disse...

Como tu certamente calculaste, as mulheres vão ler isto. Aliás, este texto foi escrito para mulheres =))

Um olhar intenso é muito mortífero e mete meeeedo! =)

Storyteller disse...

Muito bem escrito; embora não tenha sido escrito para nós, não é mesmo? ;)

Alexandra disse...

Conversa só para homens é a melhor forma de colocar o mulherio a espreitar... (Obviamente, vale para os dois lados. Terei de experimentar essa táctica.)

Realmente, se, nessas precisas condições, ouvisse um "depois de tudo o que se passou entre nós?", fugiria mesmo a sete pés!

Nota: Escolheste mal o exemplo. Adoro a Penélope. É linda, linda, linda...

Paulo disse...

eu já desconfiava que a serpente da história do Adão e Eva nunca existiu..

agora tenho a certeza

Alexandra disse...

Provavelmente seria um cordeiro fofo e amistoso em vez da serpente.

Eva disse...

A abordagem até é interessante, invulgar pelo menos, mas compreendo a fuga...no entanto, dá tempo ao tempo, como sói dizer-se! Quem sabe...???!!!
Quanto às apreciações femininas, lá em casa quer-me bem parecer que estamos trocados...salvo raras execepções, todas têm algo que se lhe aponte...e as espanholas então!
O que não deixa de ser constrangedor...isto é, uma pessoa até acha que não é nada de deitar fora mas, naqueles casos mais aberrantes - naqueles em que os amigos perguntam onde é balde de lixo -ouvir dizer que a Penélope Cruz, por exemplo, é feia, não há dose de presunção capaz de salvar a auto-estima mais empedernida!
Eva